Conheça os resultados da recém-lançada semaglutida em eventos cardiovasculares de pacientes diabéticos

Com o advento de duas novas classes de medicações antidiabéticas: os inibidores do cotransportador sódio-glicose tipo 2 (SGLT2) e os agonistas dos receptores do peptídeo semelhante ao glucagon tipo 1 (GLP1), houve uma melhora significativa nas estratégias deontrole glicêmico dos pacientes diabéticos associado à redução de eventos cardiovasculares.

Neste artigo, daremos destaque a semaglutida, que será um dos temas abordados durante o CURSO SEND 2019.

Em um estudo publicado no New England Journal of Medicine (NEJM) foi demostrado que o semaglutida, um GLP-1, quando administrado uma vez por semana reduziu significativamente em 26% o risco do desfecho composto primário de tempo para a primeira ocorrência de morte cardiovascular (CV), quando adicionado ao tratamento padrão.  Além disso, houve uma redução significativa de 39% no AVC não fatal.

Esses achados são clinicamente relevantes, já que a doença cardiovascular é a principal causa de morte em pessoas com diabetes tipo 2 (DM2) e novas opções de tratamento que têm o potencial de reduzir o risco de eventos cardiovasculares são necessárias.

A novidade é o 1º análogo da GLP-1 oral (todos os outros são injetáveis, inclusive a própria semaglutida), o que é uma grande vantagem. Estudos têm demonstrado que a semaglutida oral tem um potencial de redução de glicose e de perda de peso consideráveis comparadas às outras medicações para DM2.

A DM2 e a obesidade devem ser tratadas com seriedade como doenças, e as medicações envolvidas devem ter o máximo de segurança e eficácia possível. Por isso, é importante a constante atualização dos médicos prescritores.

 

Referências consultadas:

Marso, SP et al. , Semaglutide and Cardiovascular Outcomes in Patients with Type 2 Diabetes N Engl J Med 2016; 375:1834-1844

O´Neil PM et al., Efficacy and safety of semaglutide compared with liraglutide and placebo for weight loss in patients with obesity: a randomised, double-blind, placebo and active controlled, dose-ranging, phase 2 trial. Lancet. 2018 Aug 25;392(10148):637-649

Davies, M.,  Effect of Oral Semaglutide Compared With Placebo and Subcutaneous Semaglutide on Glycemic Control in Patients With Type 2 Diabetes: A Randomized Clinical Trial, JAMA. 2017;318(15):1460-1470.

Diabetes Obes Metab. 2019 Mar;21(3):499-508. doi: 10.1111/dom.13553. Epub 2018 Nov 11.

Cardiovascular safety of oral semaglutide in patients with type 2 diabetes: Rationale, design and patient baseline characteristics for the PIONEER 6 trial.

Bain SC1Mosenzon O2Arechavaleta R3Bogdański P4Comlekci A5Consoli A6Deerochanawong C7Dungan K8Faingold MC9Farkouh ME10Franco DR11Gram J12Guja C13Joshi P14Malek R15Merino-Torres JF16Nauck MA17Pedersen SD18Sheu WH19,20,21Silver RJ22Tack CJ23Tandon N24Jeppesen OK25Strange M25Thomsen M25Husain M10,26.